Artigo no Chicago Tribune sobre Supernatural


A autora diz que contém SPOILERS….MAS ELES ESTÃO EMBUTIDOS EM LINKS DENTRO DO PRÓPRIO ARTIGO.

Bem galera, saiu outro artigo no Chicago Tribune sobre Supernatural. Na verdade a jornalista, Maureen Ryan, foi a moderadora de Supernatural na Comic Com, mas “descobriu” (vamos assim dizer) a série depois de ver Lazarus Rising. Ela mesma já disse várias vezes que ficou “enfeitiçada” com Supernatural depois de ver a season premiere da quarta temporada ( E quem pode tirar a razão dela não é? Lazarus é um dos melhores episódios de toda a série!!)

Nesse atual artigo, intitulado de “Thoughts on ‘Supernatural’ and what you need to know before Season 5 begins” , a jornalista fala algumas coisas sobre a quinta temporada, mas também faz uma análise sobre o que as pessoas não podem deixar de ver em outrs temporadas, bem como faz uma análise pessoal sobre a segunda temporada. Ela já tinha feito isso com a primeira temporada. Ela assiste todos os episódios e diz quais não podem deixar de ser vistos, segundo a sua opinião. Não é uma lista de episódios favoritos, mas sim de episódios importantes pro arco mitológico

Vou apenas levantar uns pontos que me chamaram a atenção no artigo. QUEM QUISER LER O ARTIGO NA ÍNTEGRA EM INGLÊS CLICA AQUI

Em primeiro lugar ela diz que se sente envergonhada por não ter escrito sobre a segunda temporada quando a mesma foi exibida. Ela se condena por isso.
Porque ela diz que na primeira temporada é muito fácil você pegar um ou outro episódio como “Faith” e apontar como diferencial. E ela fala “Mas na 2 ª Temporada, é difícil escolher pontos altos, porque toda a temporada foi tão consistentemente boa”.

Ela continua dizendo que isso é uma das coisas que torna Supernatural tão bom. Ela não tem interesse em mudar as coisas na TV, mas ela aponta que existem muitos poucos shows que se mostram constantemente satisfatórios e Supernatural é um deles. (Uhuuuuuuuuuuuuu.. Que eu concordo com tudo até agora. Desde o lance da segunda temporada quanto ao fato que a série não deixa a peteca cair!!)

Outro ponto levantado por ela é que o show tem elementos que se integram pra que as coisas funcionem. O elenco, a história, as falas. Ela diz que quem acha que Supernatural se segura somente porque tem dois rostos bonitos não sabe o que está dizendo.

Ela continua dizendo que o que fez a segunda temporada tão interessante é que não havia um grande tema pra ela como a quarta temporada teve (na quarta tivemos uma espinha dorsal e os escritores trabalhavam sobre ela), mas na segunda havia apenas a exploração da “relação” da família Winchester entre si.

Ela volta a dizer pra deixar bem claro que isso não é necessariamente uma lista dos seus favoritos episódios (provavelmente mais tarde ela chegará lá), a listagem que ela faz é apenas pra ajudar os novatos a ter uma idéia do show e o que esperar antes da quinta temporada começar. Ela acrescenta que não colocou na lista apenas episódios em pesada mitologia , ela também colocou alguns de seus favoritos standalones, porque eles são fantásticos e ela deseja que as pessoas saibam o que pode fazer o show no seu melhor. Além disso, há um pouco de ênfase sobre a 4 ª Temporada na lista, porque ela acha que quem vai se começar a ver o show em andamento, mais tarde os episódios podem ser mais úteis.

Em seguida ela lista esses episódios (aqueles que os novatos no show devem ver) e assinala que não é sua lista favorita, mas que quando ela for falar sobre cada temporada específica, alguns desses episódios dessa lista, vai estar lá também.

• “Pilot” (Season 1)

• “Devil’s Trap” (Season 1)
• “In My Time of Dying (Season 2)*
• “Croatoan” (Season 2)*
• “Tall Tales” (Season 2)*
• “All Hell Breaks Loose Parts 1 & 2” (Season 2)
• “Mystery Spot” (Season 3)*
• “Jus in Bello” (Season 3)*
• “No Rest for the Wicked” (Season 3)*
• “Lazarus Rising” (Season 4)*
• “In the Beginning” (Season 4)*
• “On the Head of a Pin” (Season 4)*
• “The Monster at the End of This Book” (Season 4)*
• “Lucifer Rising” (Season 4)

Ela continua dizendo que nas próximas semanas vai postar uma entrevista que ela fez com o criador da série, Erci Kripke, onde ele fala sobre a evolução do show e compartilhou algumas reflexões gerais sobre a quinta temporada.

Continua dizendo que poderá fazer uma reflexão mais aprofundada sobre a terceira temporada (mas acha que não fará) e caso ela não faça ela deixa a listagem de seus episódios favoritos. (Terceira temporada). E que a terceira temporada foi mesmo inferior a segunda e a quarta, mas que houveram fatores externos que contribuíram pra isso (a greve dos roteiristas e certa imposições da rede). Os episódios favorito dela da terceira temporada são:

* “The Kids Are Alright”
* “Bad Day at Black Rock”*
* “Bedtime Stories”
* “A Very Supernatural Christmas”*
* “Dream a Little Dream of Me”
* “Mystery Spot”*
* “Jus in Bello”*
* “Ghostfacers”*
* “No Rest for the Wicked”

A jornalista continua dizendo que realmente vale a pena rever os episódios de Supernatural pra ter uma melhor compreensão do show, mas que se a pessoa não tiver muito a fim de fazer isso, mas estiver interessada na série, procure no youtube que existem bons materiais e que em meia hora provavelmente vai ter uma ótima idéia do que acontece.

Ela disse que a quarta temporada pode ter havido uma oscilação aqui ou ali, mas de um modo geral, a 4 ª Temporada é consistentemente boa e tematicamente mais ambiciosa e interessante do que 2 ª Temporada. Ela teve que assistir tudo de novo por conta do panel de Supernatural na Comic Com e voltou a ficar impressionada com tudo que foi mostrado ali.

Ela continua o artigo falando de cada episódio da segunda temporada (sua perspectiva apenas). O que é muito interessante, mas não vou postar aqui, porque é extenso. Eu irei citar alguns pontos levantados por ela.

“In My Time of Dying” Ela diz ser um de seus episódio favoritos, ( E meu também, eu confesso ) onde teve de tudo amor, tristeza, traição, medo, caçada, mistério. E gostei do que ela disse sobre Tessa ( o ou a Reaper) e sobre a atriz que fez esse Reaper. (Baita alfinetada em alguém, que eu até imagino quem seja!! ). Ela diz que esse episódio foi uma excelente vitrine pro talento de Jensen Ackles que pode trabalhar várias emoções em um único episódio. E que ela ficou chocada com o modo que John morreu e com tudo que foi mostrado dele no episódio. Ela parabeniza também o trabalho de Jared Padalecki e acima de tudo Kim Manners que com certeza contribuiu pra que esse episódio fosse brilhante.

Ela continua dizendo que gostou da Roadhouse (Ellen, Jo e Cia) e que ficou brava com Kripke por ter matado o Ash!! E quando ela falou isso a ele na Comic Con, Kripke disse que recebia uma monte de queixas sobre isso, e que ela acha que ele (Kripke) é um Cylon (kkkkkkkkk.. Ele definitivamente é!! Kkkkkkkk)

Diz que Bloodlust foi um excelente episódio que mostrou as implicações morais do que Dean e Sam fazem todos os dias. Foi um embrião pro que seria mostrado na quarta temporada. Adorei cada palavra que ela disse sobre Bloodlust.

“Children Shouldn’t Play with Dead Things” ela destaca os mesmos pontos que eu: só vale a pena porque mostra a real relação que Dean tem sobre a morte de seus pais (ele não chega nem perto da sepultura de Mary) e sobre o lance de “dead people should stay dead” (pessoas mortas deveriam ficar mortas). O epísódio compensou pelo final, pelo que Dean mostrou ao deixar aquelas lágrimas caírem. Concordo com que ela disse sobre a culpa de cada um dos irmãos e de como elas são trabalhadas. Então o episódio ganha o status de ótimo episódio apesar do tema de zumbi.

Ela diz que Ben Edlund fez um ótimo trabalho com Simon Said. E que Edlund é um doente, mas um doente que ela adora!! (Eu também!! )

Concordo com que ela disse sobre No Exit e The Usual Suspects, mas acho que ela não conseguiu se expressar sobre Crossroad Blues (que em minha opinião figura entre um dos melhores, pq aqui a ficha do Dean cai de vez sobre a morte de John e pactos com demônios).

Sobre Croatoan ela foi brilhante. Desde entender que quem escreveu o episódio foi um remanescente de X-Files (leia-se: ali tudo vai ser mistério) até as mensagens sutis, cheia de significados sobre as atitudes de Dean e Sam. E que até hoje esse é um dos grandes mistérios de Supernatural: o vírus Croatoan.
Segue com Hunted dizendo que foi outro ótimo episódio sobre o que vai dentro de Sam e o que ele faz pra lidar com isso.

Elogia Playthings como um standalone e uma bela homenagem ao filme “O Iluminado”.
Volta a elogiar Edlund por Nightshifter e também o ator Chris Gauthier ( Ronald no epispódio). Adorou cada momento de ação e “estilo Supernatural” do episódio e que a entrada do FBI foi ponto importante que acabou levando a Jus in Bello.
Sobre Houses of The Holy ela diz uma verdade: os fãs só valorizaram esse episódio depois da quarta temporada. Porque afinal foi aqui que Dean disse não acreditar em anjos, não ter fé e não querer saber nada deles. E foi mostrado também que isso está baseado na quebra de confiança relacionada a morte de sua mãe. E que as falas de Dean e Sam sobre o mal fazem muito sentido agora.

“Born Under a Bad Sign” ela destaca mais uma vez como deve ser difícil ser Sam, com tudo aquilo dentro dele. E que Jared foi muito bom aqui, pq conseguiu imprimir um ar demoníaco ao seu personagem (ele estava possuído pela Meg) sem perder a doçura (que é inerente a Sam). Adorei o que ela disse sobre Dean. Sobre o fato de não importa quão vulneráveis Dean começa, você nunca se esquece que ele pode ser tão brutal .

Tall Tales ela rasga elogios ao episódio e mostra o porque de gostar tanto. ( Pela primeira vez na história do seriado alguém me mostrou outro lado de Tall Tales. E mesmo entendendo tudo que ela disse, mesmo tendo grandes nomes e referências por trás de tudo eu ainda mantenho minha opinião sobre o episódio. Mas não nego que ela tem bons motivos pra gostar do episódio. Só acho exagero elegê-lo como um dos melhores episódios de todos os tempos. )

Ela não gostou de Heart. Nem um pouco. Faltou algo no episódio. Amou “Hollywood Babylon” com tudo que foi colocado lá. Todas as críticas, referências, citações. Ela amou a atuação de Jensen, ele captou exatamente o tom do episódio: deboche puro e simplesmente em cima das coisas que acontecem por trás das câmeras. (Concordo com ela).. Ela também não gostou De “Folsom Prision Blues”, achou totalmente desnecessário. ( Mesma opinião de MFDGE )

“What Is and What Should Never Be” foi essencialmente emocionante. Um ótimo AU episode (Episódio universo alternativo). E ela mais uma vez diz se tornar repetitiva ao citar o talento de Jensen. Amou o fato de destacar que o forte laço entre os irmãos é um dos grandes pontos da série, algo tão bem trabalhado na quarta temporada.

“All Hell Breaks Loose” Parts 1 & 2. Ela odious a destruição da Roadhouse. (Bem vinda ao clube rsrsrs).Mas não acha que foi brilhante episódios. Foram bons episódios, mas tirou de cena um excelente personagem, o YED, mesmo que ele tenha dado as caras na quarta, aqui ele morreu. E que realmente o ponto forte foi o fato de que o que Dean é capaz de fazer por sua família, principalmente por Sam. Foi um bom fechamento de temporada.

Isso é tudo.. Ela realmente virou fã do seriado. Ela convoca as pessoas a verem o show!! E por conta disso eu me tornei fã dela!!

Abraços

As frases em itálico são as minhas opiniões, são notas pessoais que não estavam no texto da jornalista…

Fonte/Source: Chicago Tribune
Créditos: cricket52579 (dean_sam)

Related posts

8 thoughts on “Artigo no Chicago Tribune sobre Supernatural

  1. EdWard

    Os Episódios que ela selecionou realmente são muito bons, mas eu acho que faltaram alguns episódios muito bons como, por exemplo o “Faith” da primeira temporada e “The Magnificent Seven” da segunda.

    Mas enfim, ela é fã de SPN e agor eu sou fã dela!

  2. haha, cara estou maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaster curiosa para ver a 5ª temporada! Não aguento mais, velho eu concordo, quem acha que supernaturas é apenas os dois carasa lindos tá enganado meu, é tudo perfeito cara, a trilha sonora, as histórias dos episódios, o história da série em geral, os cenários, TUDOO!

    SUPERNATURAL IS LIFE, haha!

    beijinhos 🙂

  3. Anonymous

    Gostei! Só achei que ela deveria ter colocado os episódios “Are you there God? It’s me Dean Winchester” e “I know what you did last summer”, pois são dois episódios importantíssimo para o arco da série, o primeiro para entender melhor o que eram os selos [Tem muita gente que demorou cair a ficha] e o segundo que citei, para entender o mesmo que o Dean queria saber: Porque Sam confiava tanto em Ruby.

  4. Supernaturalmaníaca

    Artigo bacana. Adorei os comentários e achei a lista muito boa, exceto por “Ghostfacers” q pra mim foi péssimo, e mais desnecessário q “Folsom Prision Blues”.

  5. Este comentário foi removido pelo autor.

  6. Michelly

    Concordo com a Supernaturalmaníaca,tbm ñ gostei do episódio “Ghostfacers” acheii mto confuso com aquelas imagens,resumindo bem desnecessário!!

    Sobre o artigo,gosteii acheii bem interessante realmente os episódios que ela citou são mtoo bons^__^
    Gostoo de Todos*__*

    Eu tbm vireii Fã Dela 😉

  7. lile

    Adorei o que a jornalista escreveu,ela soube ver Supernatural como a serie que ela é de verdade e deu o devido crédito a ela.

    Viu mais do que caçadas,anjos e demônios,o apocalipse,reparou nos detalhes e percebeu qual é a essência da série.

  8. UAU *_*..umas das melhores matérias que já li de Supernatural!

    Ela realmete viro fã do show!

    Adorei eu concordo na maioria dos episódiso q ela selecionou mais The Magnificent Seven tmmb deveria entrar +1!

    daki a poco a gnte ta elegendo o da 5 se deus kiser *____*

Leave a Comment