[The Road So Far] Parte 5 – 1×22 Devil’s Trap – Season Finale

Bem galera, nós chegamos ao final da primeira parte do projeto e devido a alguns acontecimentos com membros da administração do blog demoramos mais que o previsto. Só tenho que pedir desculpas a todos vocês. Mas como eu já disse antes, este é um projeto especial, muito especial que não será abandonado. 

Nessa quinta e última parte falaremos sobre Devil’s Trap. Teremos resenhas apenas minha e da Vicki, porque o Nathan não conseguiu fazer a dele.

As partes anteriores do projeto podem ser encontradas AQUI.


Com o encerramento dessa primeira parte, nós vamos realizar o sorteio do box oficial da primeira temporada. As regras estão AQUI (no meio do texto).  

O nome do vencedor será postado domingo à noite ou segunda-feira e no post será tudo explicado como o vencedor deverá proceder para receber seu prêmio. Também será explicado como será a segunda parte do projeto, mas posso adiantar para vocês que serão 2 prêmios para sortear entre os 2 primeiros vencedores e teremos uma maior participação dos membros!! Vocês vão adorar, tenho certeza!!

Obrigada a todos pelo apoio e confiança!


RESENHA DA VICKI sobre Devil’s Trap

Fight the good fight. E não toca Carry On dessa vez. Eles só aprendem que o hino de Supernatural é a música do Kansas a partir da segunda temporada (e a gente, em evento do Fã Clube, para tudo e põe a mão no peito)

A Meg de Nicki Aycox era má. Por puro prazer. E se a gente for pensar, ela é até um demoninho bobo perto do que eles têm enfrentado agora. Mesmo pensando na Meg hoje.

Pra quem não tem problemas com o sobrenatural, Dean detesta que verbalizem o que ele espera q não aconteça. Algo a ver com O Segredo? E desde lá todo demônio sabe que basta apelar para a família para desestruturar a casca dura dos Winchester, especialmente Dean. Toda a força, aquela carcaça impenetrável dele cai quando se fala na possibilidade de sofrimento para Sam ou John. Não há a mesma misericórdia para com os outros, mas família pra ele é mesmo tudo.

Eis Bobby!!! Nosso amigo foi ficando mais conservado desde que apareceu até hoje.

Ótimo escrever sobre a colt depois do 6×18!! É um ciclo que se completa. Mesmo que depois se descubra que há criaturas que ela não destrói, vê-la como o centro das atenções 6 temporadas atrás só me faz pensar na genialidade de Eric Kripke e sua turma. Houve época em que cada bala contava. Houve época em que tudo para eles era encontrar a bendita colt. E tudo volta ao início agora, das mãos do próprio inventor. A Fênix talvez seja a própria série.

Alguns críticos (cricris do fandom, na verdade) dizem que na segunda temporada é que Jensen descobriu mesmo quem Dean era. Eu acho que ele já sabia faz tempo, mas algo nele mudou pra sempre – e pra nosso deleite, pra melhor -, quando John morre e parte de seus motivos pra viver e lutar morrem junto com ele. Tudo o que ele faz a partir dali tem uma mágoa, uma culpa, um sentimento de perda.

Sam parecia ver esse dia chegar. Ele aponta soluções mesmo antes de saber se John está mesmo morto. Talvez porque, como sempre quis um passaporte para qualquer vida que não fosse a que ele levava, conseguia ver o modo como cresceram com uma visão mais distanciada. O que Dean chama de egoísmo, eu chamaria de pragmatismo em Sam. Há um tanto de egoísmo em Dean também por saber que não conseguiria viver sem Sam. A morte de John dói, mas a de Sam seria insuperável. Como ele mesmo diz, as coisas que ele faria pelos dois o amedrontam de vez em quando.

Sunrise é onde encontram John. O mesmo nome da cidade onde encontram a Colt agora. Coincidências não existem.

Hummmm… bombeiros! (hummm, cowboys! Não me sobram muitos fetiches, agora)

QUE SAUDADE DE JEFFREY DEAN MORGAN!! É ótimo ver ator bom trabalhando bastante e pegando papéis cada vez melhores, mas a gente gosta daquele personagem da série modesta que ele fazia antes! Quantos episódios teriam sido absurdamente melhores se ele pudesse estar no elenco e John desse o ar da graça.

Sou mesmo superultramega-anti-violência, mas Dean usando a colt é nham nham nham nham!

Eles crescem tão acostumados com a criação de um pai bronco e obcecado, que Dean percebe assim que não toma uma bronca que aquele não é John. John não pede ‘por favor’. “Ele estaria furioso. Ele não estaria orgulhoso, mas ia me encher o saco. Você não é meu pai”. Isso para ele sempre foi demonstração de amor. Ele sabe que não vai ouvir mais que um ‘bom trabalho’. Mas não suporta ouvir de Azazel que Sam é o preferido. Ainda que desconfie.

E aí John baixa a cabeça e quando levanta, já está de olhos amarelos. Nessa hora eu já estava apaixonada irremediavelmente pela série (falei que virei fã tarde). E Jeffrey dá um show!

Seria o plano de Azazel matar o ‘homem honrado’ que seria a primeira opção de receptáculo para o representante do Bem no Apocalipse? Será que Castiel traria John dos mortos se Sam atirasse nele para matar Azazel?

O lindo de Supernatural é que até hoje não dá pra ter certeza.




RESENHA DA POLLY sobre Devil’s Trap


E por fim Devil’s Trap. Talvez um dos mais brilhantes episódios de seriados que eu já vi. 
Aqui tivemos de tudo: ação, mistério, drama.. Devil’s Trap foi emoção do início ao fim. Foi aqui que conhecemos Bobby, que ficamos sabendo da Chave de Salomão e pudemos vislumbrar um pouco do que os demônios queriam com os Winchesters, ou melhor, com Sam Winchester. Desde a hora que Dean procurou a ajuda do Bobby até a hora do acidente final foi emoção em cima de emoção. 
As cenas em que Dean exorciza a Meg vão pra galeria de cenas memoráveis de Supernatural. Ali Sam e Bobby puderam ver até que ponto Dean iria pra salvar sua família. Ele faria qualquer coisa pra trazer seu pai de volta. Assim como demônios não estavam brincando, Dean, também não estava. 
Quando eles finalmente encontram John, há uma mistura de medo e alívio. Dean não pensa duas vezes e quer tirar logo o pai dali, mas a eterna sensatez de Sam o faz desconfiar. No final das contas o demo FDP enganou os dois.. Quando Sam está apanhando do demo até quase morrer, Dean não hesita, vai lá e puxa o gatilho. Mata sem nem questionar se existia uma pessoa ali ou não. Ele mata pra salvar quem é importante pra ele. No momento ele nem pensou, ele só agiu, mas depois ele questionou isso, ele questionou até que ponto esse amor por essa família poderia ou arruína-lo ou elevá-lo. Uma cena muito bonita, mais uma entre tantas.
E então entra em cena John, tentando ludibriar seu filho mais velho. Enquanto Sam sai e vai obedecer a uma ordem do pai , Dean observa bem as palavras do pai e constata que seu daddy não era aquele cara ali. Ele conhecia e conhece seu pai como ninguém e só uma pessoa muito sensível e esperta poderia descobrir aquilo que Dean notou. Então Sam chega e vê Dean apontando o Colt pra John, e fica sem entender, entretanto ali, Sam tem uma demonstração de profundo amor e respeito ao Dean. No meio de tudo aquilo, ele confia cegamente no irmão. Ele fica do lado de Dean, pq sabe que Dean jamais faria nada contra a própria família.
E então o maldito YED entra em ação. Vemos que Dean tinha razão e aquele ali era um demo FDP. Os meninos então são presos e Dean é torturado, não sem antes ouvir umas verdades cruéis dita pela pessoa que destruiu sua família. Sam não consegue fazer nada e fica vendo Dean sangrar. Dean implora por ajuda a seu pai, Dean busca no fundo da alma o amor entre eles e John consegue se mostrar.  Eu achei soberbo John de olho amarelo. Achei magnífica a atuação do Jeffrey, como um cara frio, debochado e sem coração, passando em seguida ao pai amoroso e atormentado. Sam se liberta e mira seu pai, dá um tiro, não pra matar, mas pra ferir. 
Ele fica entre John e Dean, fica entre a vingança e o amor a sua família. E então o amor a seu pai e o respeito a sua consciência vencem. Ele não atira, ele não tira a vida do seu pai. Mas isso tem um preço e no caminho pro hospital, tivemos essa demonstração. Os demos tentam matá-los num acidente de carro. E com isso a gente fica com o coração na mão, vendo os três seriamente machucados dentro do carro.

Enfim a primeira temporada foi uma busca. Busca pelo pai, por respostas sobre o demônio, busca pra resgatar o sentimento de família. 


Encaro a primeira temporada como um alicerce pra tudo que viria em seguida. Foi aqui na primeira temporada que Sam e Dean se redescobriram como irmãos e como parceiros numa luta que muitos não teriam coragem de sequer imaginar.

Foi aqui nessa temporada que cada um mostrou do que é capaz. Dean é capaz de tudo por John e Sam, que ele definitivamente não brinca em serviço. Sam mostrou que é capaz de mudar tudo em sua vida por amor a alguém. E John aprendeu que a união é a melhor arma contra o mal.






Sintam-se livres para comentar!!

Related posts

13 thoughts on “[The Road So Far] Parte 5 – 1×22 Devil’s Trap – Season Finale

  1. Esse episódio foi definitivamente um dos que mais demonstraram o amor ‘lindo’ deles (Dean,Sam e John) pela família.
    Foi exatamente nesse episódio em que um dos salvadores do apocalipse (na 5° temporada) deu o ar da sua graça: Bob.
    Dean matando uma pessoa a sangue frio não é uma coisa que se vê todo dia..mas é pelo Sam,certo? É pra salvar a vida do seu irmão.Por que não? Por que ele deveria perder tudo o que lhe há de mais importante (a família) se ele pode salvá-la,certo?
    Foi engraçado perceber o quanto o Dean é ‘cego’ quando se trata da família.Quando Sam fez os ‘testes’ em John para ver se havia algo nele,Dean achou um absurdo,não fazia sentido pra ele.Tanto sacrifício pra encontrar o seu pai e quando encontra,Sam acha que ele pode estar possuído?
    Sam como sempre o precavido,o cabeça da história.Dean o louco,o sensitivo que mata qualquer coisa por quem ele realmente ama.
    John se revelar o YED,foi uma das coisas mais chocantes pra mim até agora.Juro,nessa hora eu pensei ‘FODEU’.Eu já pensei que eles teriam que matar John.
    Que tolice a minha,não é? Um Winchester matar outro Winchester? Simplesmente insana e ridícula essa idéia.
    John gritando para quem Sam atirasse e Dean gritando para que ele não atirasse foi absurdamente lindo.Foi nesse momento em que se deu pra perceber que a família significava MUITA coisa para Sam também.
    Mas é claro que as coisas não seriam tão fáceis assim,certo? Houve o acidente de carro.Os demônios realmente queria acabar com os Winchester.
    Mas os Winchester nunca realmente morrem não é?

  2. Dean como sempre familia é tudo, viveu,morreu e ressucitou por um ideal :salvar seu irmão,sua família.Por isso amo esse sujeito, por não se achar o perfeito, sempre com a razaõ,esquecendo o lado mais importante da vida o sentimento humano,Dean o CORAÇÃO da história, por isso a série se tornou paixão por mostrar este lado familia acima de tudo do Dean até onde ele iria por eles.?? muito perfeito. Este episódio mostrou bem esse lado familia perfeita e unida para o Dean.Amo.

  3. devil’ trapt foi um episódio perfeito para um season finale…várias coisas fundamentais na série apareceram ali, como o personagem Bobby singer, que é trtado com muito carinho pelos fãs, sendo considerado um segundo pai para os meninos. nesse episódio, aparece a chave de salomão, uma armadilha contra damonios. durante o exorcismo de meg…dean não estava de brincadeira. sam já é mais racional, dean é movido pela emoção, amor pela familia, e não admitia a ideia do pai estar morto, de seu herói ter sido vencido. depois que meg morre, eles conseguem uma pista:”sunrise” que logo depois descobrem que era um prédio. sam tenta convencer o irmão de não levar o revólver, mas dean discorda, põe a vida do pai em primeiro lugar, (eu já acho que o sam é parecido com o john nesse aspecto, de ser mais movido pela razão). eles se vestem de bombeiros para poderem entrar no prédio. eu achei a cena incrivel, uma dos pontos fracos da série e das cenas de ação serem repetitivas(no epi da 5ª temporada, eles mesmos tiram paródia da cena:a arma cai da mão deles), porém nessa cena não há nenhum clichê. assim que encontram o pai, de novo sam mostra ser mais profissional e confere se ele estava possuido. assim qunado eles saem do prédio, sam é atacado e dean não exita por um segundo de salvar o irmão.
    assim qundo chegam em um esconderijo, dean de mostrava um tanto arrependido pelo que vez, e john lhe anima, mostrando um comportamento compreensível, coisa que o john não é…dean, conhece o seu pai, sabe que ele é rígido, teimoso, e mandão. e sabia que aquele não era seu pai. sam vê dean mirando a arma para o pai, mas sabia q dean não faria aquilo sem motivo…depois de negar, azazel se mostra( que afinal eu adorei a atuação de Jeffrey dean morgan), ele tortura dean, e fala para ele a verdade distorcida pelos demonios…sam fica preso, vendo o irmão sendo torturado, sem poder fazer nada. Assim que john recupera o controle,sam pega o colt, e john pede para matá-lo, junto com o demonio. sam pode ser racional, há gente q diz q ele é meio individualista perto do dean e carregar muita raiva, mas sam tb é sensível, justo e faria tudo pelo seu irmão e mesmo não se acertando com o pai, também jamais escolheria a vingança se tivesse que matar o pai. ele atira no pai, mas não para matá-lo.
    eles tentam escapar, mas um caminhão os pega, destruindo o carro…e assim termina a temporada, com mistério, e sombria…mas porém ela foi fundamental, foi genial, perfeita…tudo que os fãs gostam de supernatural se construíram com o andar dos episódios e a primeira temporada foi a estrutura, a base para toda essa história ganhar tanto carinho….

  4. Eu amei esse projeto novo de reelembrar desde a primeira temporada, obrigada voces adimnistradores desse blog por serem tão atencisos e fiel com os vistantes desse blog, e claro fazendo a nossa alegria, eu amo esse blog sou fã de voces obrigada mesmo, agora vou esperar pela segunda temporada e Polly assim que começar a setima temporada por favor posta as suas impresões eu sou sua fã.

  5. Sinceramente… Quando assisti os primeiros episódio da 1a temporada… Fui ao delírio, e pensei: “Como uma pessoa teve essa grande capacidade de criar algo assim?”… Realmente toda a série está deslumbrante, mas este temporada merece um pouco mais de carinho e atenção, pois foi aparti daí que deu início a uma era que jamai findará (mesmo que a série “acabe”) pois está empreignado em nossas vidas… Apesar de muitos criticarem, tenho orgulho de dizer que faço parte da família de SUPERNATURAL…

  6. SIMPLESMENTE PERFEITO,ESSE EPI FOI MUITO MARCANTE,CHEIO DE AÇAO.CUMPLICIDADE ADRENALINA,MOSTRANDO A ESPIRITO DE LIDER QUE O DEAN SEMPRE TEVE,O VELHO E BOM BOBBY PARA SALVAR O TRASSEIRO DOS MENINOS,COM SEUS ESTUDOS LIVROS E PESQUISA,SHOW SE ENTERPRETAÇAO DA MINHA VILA PREFERIDA,INESQUECIVEL,SEM PALAVRAS PARA DESCREVER COM GRANDIOSO FOI ESSE EPISIDIO,E O AMOR DO DEAN PARA QUE O SAM NAO ATIRASSE NO PAI FOI RALMENTE UMA CENA FORTE,PROVANDO QUE A FAMILIA ERA PARA ELE A COISA MAIS IMPORTANTE,A CENA DO ACIDENTE DO CAMINHAO FOI RALMENTE INESQUECIVEL,FOI AI QUE PERCEBI NAO PODERIA VIVER SEM OS WINCHESTERS É POR ESSAS E OUTRAS QUE ME PEGO TODA SEXTA DE MADRUGADA REVIVENDO TUDO QUE VIVI PRATICAMENTE A SETE ANOS ATRAS É SIMPLESMENTE MARAVILHOSO.E COM COMENTARIO PESSOAL OS MENINOS TINHA UMA CARINHA DE BEBE NA PRIMEIRA TEMPORADA,QUE DELICIA QUE SAUDADES!!!!!!!!!!!!VALEU GALERA PROJETO PERFEITO PARA UM SERIADO PERFEITO.

  7. Meus demônios !!!!
    Como amei esse episódio e…quase todos os episódios da 1ªT.
    A união da família enfrentando “o mal” a qualquer preço me fascinou.
    O amor do personagem DEAN pela família é simplesmente inabalável.
    A série traz sim, vempiros, demõnios, a maldade incrustrada em muitos personagens mas, mostra principalmente, o quanto pode o amor entre pais, filhos e irmãos.
    Tudo que falta no mundo de hoje.
    APAIXONADA PELA SERIE, só posso agradecer o SUPERNATURALISLIFE por ser tão carinhoso e competente para com os fãs/bloggers

  8. Devil’s Trap fechou com chave de ouro uma primeira temporada de série como eu nunca tinha assistido. O que começou como curiosidade (e até alguma má-vontade) terminou com angústia e pressa de assistir a segunda temporada. Supernatural, nessa primeira temporada soube encadear o enredo e os personagens de tal maneira que vezes sem conta dei por mim sofrendo como se eles fossem pessoas de carne e osso. A forma como Jensen Ackles foi construindo o personagem, aos poucos conferindo autenticidade e profundidade, sabendo dosar os momentos de garotão inconsequente com o tormento de ser quem é, ter a vida que teve e o pai que tem, faltam-me palavras suficientes para elogiar.
    E em Devil’s Trap ele se revela por inteiro, deixando nítido que sua família é só o que importa, acima de tudo. Mal pude suportar a angústia que o ator deixa transparecer quando percebe que aquele não é seu pai, e seu sofrimento ao ouvir Azazel, travestido de John, colocar em palavras o que ele no fundo sente, a preferência paterna por Sam.
    Por falar em John, a interpretação de Jefrey Dean Morgan é magnífica, sem dúvida, mas Jensen o supera na sutileza e nas minúcias exigidas pelo momento do Dean.
    Mas momento realmente glorioso nesse episódio é quando Sam entra, vê Dean apontando a arma para John: a forma como ele, em segundos, apreende a situação e inequivocamente fica do lado do irmão é perfeita, pois mescla tantos subtons da relação dos irmãos e traduz tudo num apoio e lealdade incondicionais, nem mesmo uma pedra deixaria de se emocionar profundamente com essa cena.
    Finalmente, o final. Se ainda faltasse alguma coisa para me prender definitivamente à série ( e a essa altura, não mais), seria a batida do caminhão contra o Impala, num momento que aprisiona todas as questões e situações pendentes da angustiante jornada dos irmãos.

  9. Ai prova o quanto Eric era um gênio ao criar em detalhes mostrando o que seria a série Supernatural,pena que a Sera não tem essa sutileza e não dizer capacidade de levar estes minunciosos detalhes para as novas temporadas perdendo o foco e até mesmo mudando bruscamente inventando coisas inútéis e artificiais sem nenhum segmento,lástimável.
    Help Eric!!!!.

  10. Este comentário foi removido pelo autor.

  11. A primeira temporada me trás uma nostalgia gostosa, foi em 2006 que esses dois caras entraram na minha vida e NUNCA mais sairam.
    Não sei se isso acontece com todos, mas SUPERNATURAL me marcou, e marcou legal, agora está tatuado no peito e não sai nem por decreto. Quando penso em uma história linda a primeira que me vem na cabeça… Supernatural, quando penso em uma história triste… Supernatural, quando penso em uma história engraçada… Supernatural, quando penso na história que mais me encanta e envolve… Supernatural, Supernatural, Supernatural!!!
    Agora voltando a primeira temporada, eu diria que é uma verdadeira OBRA PRIMA, o episódio Davil’s Trap fechou com chave de ouro, ou melhor, de diamante essa primeira etapa, com atuações indiscutivelmente brilhantes e sem dúvidas memoráveis. (O acidente com o caminhão no final me deixou psicologicamente abalada rs… como dependia da TV aberta na época, vulgo SBT, fiquei imensamente frustrada até descobri uma maneira de assistir a segunda temporada.)
    Uma das coisas que eu acho mais incríveis é ver que em uma série onde num primeiro momento se pensa que o foco principal é mostrar o IRREAL, um universo de monstros/demônios/vampiros/fantasmas e outras coisas tecnicamente improváveis… de repente se torna tão REAL e tão HUMANA.
    Sam e Dean WINCHESTER dois personagens tão fortes e tão frágeis ao mesmo tempo, que nos fazem querer cuidar deles, que nos fazem querer lutar com eles e por eles, que nos ensinaram e ensinam tantas coisas e que nos despertam as mais diversas emoções. E AI de quem disser que eles não são um pouquinho meus, eles são um pouquinho de todos nós… FÃS!
    Sabe de uma coisa, vou eternizar Supernatural, se por ventura eu tiver filhos um dia rs… passarei essa minha PAIXÃO para eles. (E ter esse Box da primeira temporada pra mim não seria nada mal pra começar hehe…)

    Twitter: @FernandaSPN

  12. este episodio foi um dos melhores; não só porque teve muita emoção e ação, mas por ter sido o episodio que mostrou o motivo pelo qual eles entram nesta caçada contra o mal…
    Esse episodio mostra como é a convivência dos WINCHESTERS e como eles agem com relação ao outro estar em perigo e/ou precisando de alguma ajuda.
    A família é tudo para os garotos. Embora eles tenham maneiras diferentes de pensar e até mesmo de agir, eles acabam sempre no mesmo lado, o lado da família; pq um é tudo para o outro, e isso fica claro no decorrer da série e deste episódio em especial…
    E é isso que deixa a série ainda mais encantadora, e como consequência disso, arrebata mais e mais fãs pelo mundo todo a cada instante.

    o MASTER KRIPKE acertou em cheio na criação desta serie.
    Toda a produção foi realmente espetacular não só neste episodio mas em todos de todas as temporadas.

  13. este episodio foi um dos melhores; não porque foi o episodio que mostrou o motivo pelo qual eles entram nesta caçada contra o mal…
    Esse episodio mostra como é a ligação dos WINCHESTERS e como eles agem com relação ao outro estar em perigo ou precisando de alguma ajuda.
    Dean mostra um lado mais sensitivo, um lado mais família que eu adoro, pois isso mostra o quão humanos eles são a ponto de darem suas vidas pelo próximo e isso me choca muito, porque não é todo dia que você encontra alguém que pode lhe oferecer umas das coisas mais importantes do mundo em troca de paz ou salvação das outras pessoas.

    Essa sempre vai ser uma das melhores séries da minha vida, pois nunca eu assisti um seriado que falasse tanto sobre os sentimentos dos outros de uma forma tão encantadora!!

    Ai prova o quanto Eric foi um gênio ao criar em detalhes mostrando o que seria a série Supernatural!!!!

    Sam e Dean WINCHESTER dois personagens tão fortes e tão frágeis ao mesmo tempo. Nos ensinam tantas coisas que nos despertam as mais diversas emoções.

    I love you Supernatural!!!!

Leave a Comment