[Análise Hunter] 10×1 “Black” por Vicki Wnxtr

Mais uma temporada, mais uma vez o desafio de escrever as Análises Hunter.

Muita saudade da minha série favorita e um certo gostinho de “poderia ter sido melhor” ali no fundinho da garganta.
Melhor começar pelo que não gostei. Desculpem mesmo, aqueles que só assistem a série por causa de Castiel. Eu amo o Misha, o talento e a cultura dele. Amo o ator. De verdade. Com a força de mil fangirls. Já gostei muito do Cas, porque ele já teve extremo valor para a série. Quando ele entrou, deu ainda mais brilho para a minha amada SPN, até porque entrou na minha temporada favorita. Mas hoje ele é um alívio cômico. Castiel e Misha merecem mais do que isso. Me dói imensamente falar mal de um personagem que adoro e por defeito em Supernatural, mas Castiel já se esgotou. Já deu. Não há mais o que fazer com ele. Os roteiristas sabem que parte do fandom larga a série hoje e onde estiver se ele morrer ou deixar o show, mas ou criam uma história que preste pro anjão ou tiram Cas da série e assumem o risco, porque como está… Ou alguém gostou do enredo requentado apresentado em “Black”? Quando eu vi Hannah de novo, já sabia que aí vinha caca. Não deu outra. Gostei apenas do discurso do Daniel, sobre anjos atraídos pela liberdade dos humanos. Concordo com isso desde Lúcifer. Não me conformo que eles tenham sido submetidos a adorar uma obra tão falha quanto nós, quando eles tinham um Paraíso. Literalmente. Então o quê? O que Cas foi um dia, CDF até o último fim de cabelo, e depois Anna e Uriel, agora é Hannah que encarna a caxias e Castiel abriu os olhos e viu a luz? Agora é ele quem vai ver que ser inflexível não leva a nada? Ainda dá tempo de salvar o dia, porque foi só o primeiro episódio, mas pelo amor de todos os deuses, deem um enredo pro Cas!
O episódio pareceu uma montanha-russa, já que de um lado tínhamos o marasmo da falta de plot pro Cas e o sensacional plot de Deanmon como melhor amigo de Crowley e Sam procurando o irmão como muitos queriam que já tivesse rolado desde o Purgatório. (A fala mais fantástica do ep, a propósito: “Sam, vc demorou. Dean e eu ficamos nos perguntando se vc tinha atropelado outro cachorro.”)
Jensen Ackles… Ah, Jensen Ackles. Jensen tira leite de pedra várias vezes em Supernatural, já desde os primeiros episódios. Então não é de se admirar que, quando ganha um presentão desse como Dean transformado em demônio, o cara deite e role. Jensen não tem oportunidade de interpretar Dean com tanta liberdade há muitas temporadas e o tempero extra de ser um demônio trouxe uma chance que ele só teve naquele minutinho em “Dream a Little Dream of Me”. Sua escolha, como deixou bem claro desde a ComicCon, foi despir Dean de qualquer preocupação que ele tinha antes. Dean era um poço de culpa, uma carga sem fim de miséria e angústia. Fora a preocupação com Sam, já que ele sempre foi irmão, pai e mãe do caçula. Eu amo isso nele e aí vê-lo sem um traço dessa característica tão forte foi chocante e fascinante. Vida longa a Deanmon! Pra mim, ainda tem Dean lá dentro, o Dean que tantos amamos. Ele quase mata o cara para vingar a mocinha de quem tava a fim. Reage quando ouve Crowley dizer que falou com Sam e, apesar de ter desprezado o sequestro do irmão, já avisou que vai matar Cole. Ainda tem Winchester lá dentro.
A dinâmica de “Crowley e Esquilo” foi um espetáculo à parte. Crowley merece ser amado, afinal. O resquício de humanidade (nem venha me dizer que não há mais humanidade em vc, Rei do Inferno!) pede um amigão. Crowley sempre invejou a relação de Sam e Dean e a dos dois com Cas. Ver esse episódio depois da chuva de elogios que Mark Sheppard fez à série só deixou tudo mais prazeroso. Esse BAITA ator gosta do que faz. Isso já vale metade do show. Também, cada fala dele é um presente! Os roteiristas amam escrever pra Sheppard, tá na cara. Eu gosto muito dos irmãos caçando juntos, papeando no Impala, vendo estrelas enquanto bebem cerveja, mas compreendo que tudo o que é bom vale a pena esperar. Eu vou curtir muito se Dean e Crowley mantiverem por mais um tempo essa parceria. Até porque isso faz Sam dar mais valor ainda ao irmão.
O que nos leva ao irmão menor (força de expressão!!! Eu já presenciei de perto o poder da altura desse homem!!). Eu não faço parte do time que malha o Sam por essa ou aquela atitude. Para mim, a gênese do personagem tá toda lá e ele nunca deixou de condizer com ela. Mas algo mudou depois que Dean voltou do Purgatório e isso ficou claro. É evidente que muitos podem assumir que os roteiristas deram uma colher de chá pra Sam se “desculpar” por não ter ido atrás de Dean e parar por aí. Eu, que estou de boa com as atitudes dos dois, porque não defendo o que quero que aconteça e sim a verdade do personagem, escolho pensar que Sam dessa vez tem como descobrir onde o corpo do irmão está, ao menos, nem que for para exorcizar o demônio que o possui e queimar o corpo de Dean em paz. E finalmente dar um fim pra essa existência sofrida.
Só que não!! Ele descobre que Dean não só está vivo, como dentro daquele corpinho irrepreensível só habita o próprio Dean. É bem verdade que Crowley tem uma baita parcela de razão quando questiona os motivos de Sam. E ISSO É LINDO! Não que Sam tenha ciuminho do Rei. Para mim só fica mais transparente que ele compreendeu o que o mantém ao lado do irmão. O tamanho da missão que os dois têm aqui: a dele, como um ser sem dúvida precioso para a humanidade e por isso tão importante para Céu e Terra, e a missão de Dean, que é proteger o menino dourado, daí ter sido “a espada de Miguel”. Isso pode até ter sido encerrado com o fim da quinta temporada, mas pra mim, o “dia seguinte” segue tão interessante quanto. Fora a parte em que os anjos podem voltar pro céu e trancar a porta pelo lado de dentro, claro. Por mim, beleza. Isso eu passo.
Só que não, parte 2!! De seu passado doído, salvando pessoas, caçando coisas, cumprindo o negócio da família, Dean e Sam aparentemente deixaram um rastro de sedentos por vingança, Cole entre eles. Gosto desse plot tb. Acho até que poderiam aparecer mais pessoas como Cole, porque isso daria aos criadores meios de valorizar o que esses dois têm feito pela gente, sem que ninguém dê méritos a aqueles dois gatos que passam pela cidade num carrão tão lindo quanto eles e nos livrando do apocalipse. Como talvez a morte necessária de um salve o todo. Não que a humanidade esteja merecendo salvação, na minha humilde opinião. Por mim, a régua já teria sido passada faz tempo.
Não posso deixar de comentar a expressão de Sam quando Crowley diz que Dean está curtindo a vida ao lado dele, dizendo logo depois que vai trazer o irmão de volta ou morrer tentando. Jared, Jared, Jared… Lindo. Já no 10×1 trazendo um de seus melhores momentos? Gostei! Quero um por episódio, tá?
Apesar do clichê “teve altos e baixos” ser uma definição perfeita para “Black”, eu gostei bastante do que vi. Especialmente porque vi elenco e produção que amam o que fazem e são gratos pela resposta que recebem de nós, seja ela um efusivo aplauso ou um puxão de orelha. Taí o twitter que não me deixa mentir.
Ah, não posso esquecer! Amei o title card (a arte em que aparece escrito “SUPERNATURAL”)!!! O pentagrama voltou!!! E eu tenho um tatuado no ombro!!! A questão dele estar invertido e isso ter a ver com demônios é história comprida e uma papagaiada sem fim, nada a ver. Mas que tá lindo, tá!

CARRY ON!!

Related posts

12 thoughts on “[Análise Hunter] 10×1 “Black” por Vicki Wnxtr

  1. Euri

    Gostei da análise, Vick! Como sempre muito justa. Eu concordo com a questão do Castiel. Pra mim, a cena dele se revelando como um anjo do Senhor é a mais impactante da série até hoje. E o Micha fez um trabalho maravilhoso com o Castiel. Mas a verdade é que ele parece muito deslocado, principalmente desde a oitava temporada. Sempre achei que ele fica bem em pequenas doses, mas os roteiristas não sabem o que fazer com ele de forma permanente. O maior problema pra mim é que não tem nenhum anjo a altura para fazer companhia para o Cass. Ele é muito bom qdo aparece com os meninos, mas não tem um parceiro igual entre os anjos. Ou ele está sendo manipulado por outros anjos ou anda na companhia de anjos imbecis como a Hannah. Os poucos anjos interessantes, sensatos e bons que apareceram foram mortos. Eu lembro que pensei que aquele anjo garoto, que o porco (Jerk???) do Crowley torturou, seria um bom parceiro para o Cass, mas aí acabaram com ele sem mais nem menos. E a triste verdade é que nos últimos tempos, qdo o Cass não aparece em um episódio, nem percebo que ele não estava lá. E assistindo os DVD’s da nona temporada, acabei passando por cima das cenas do Cass, menos aquelas que aparecem os meninos juntos.
    Quanto ao Dean Demônio, eu realmente não achei nenhum pouco assustador. Parece só mais uma forma de autopunição, a famosa auto-aversão de Dean Winchester. Ele me pareceu estar passando mais por uma séria crise de depressão, do que realmente se divertindo como um demônio. Se querem saber, a única pessoa que me meteu medo foi aquele caçador Cole. Carinha ASSUSTADOR. Fiquei foi muito preocupada com o Sammy nas mãos dele. Aliás, o Jared fez um trabalho maravilhoso no episódio.
    E eu não gosto qdo Supernatural mantém os meninos separados, sou meio xiita quanto a isso, então talvez isso tenha influenciado o fato de que não achei esse episódio muito bom. De qualquer forma, acho que isso vai mudar nos próximos episódios.

  2. fa

    Eu não vejo a hora daquele
    abraço mais gostoso do irmãos

  3. Ana celia

    Fiquei sem entender do por que a Hannah não poder curar Castiel e nem a si mesma quando é ferida… . Esse (episódio, também o comparo a uma montanha russa) apresentou três conjunturas, onde os personagens chaves discorrem de forma promulgada, não deixando brecha para dúvidas quanto a necessidade de suas existências. Até mesmo o Castiel, que no início teve uma estupenda atuação, não me pareceu tão desnecessário no transcorrer da sua existência, pois ele é o balsamo para os irmãos, bem como o equilíbrio para Crowley..Sam está onde deve estar…se purgando, redescobrindo ou até descobrindo, o real valor e necessidade de ter o irmão. Ao seu lado. Demondean é a ausência do compromisso, é viver a irresponsabilidade e até egoísta, é curtir o hoje e nada mais. Tanto os J2 como os M2 deram um show de interpretação.

    1. cris

      oi ana! me ocorreu uma coisa: cass perdeu sua graça e não quer matar mais nem um anjo pra se curar; sam desesperado pra trazer o irmão de volta; crowley descobrindo que não dá conta de trazer dean na rédea curta, pedindo ajuda pro castiel.
      será que cass não está ainda por aí pra tomar pra si a marca de caim, libertando dean e se “curando ” ao mesmo tempo, ja que sendo um anjo, mais facil seria resistir à necessidade de matar imposta pela marca?
      só viajando…

      1. Ana Célia

        Cris, e não é que seria uma boa? Cass estaria resolvendo três problemas: o dele: ter de volta a sua saúde, o de Dean: trazendo de volta sua humanidade e o de Crowley: sua organização infernal. Assim como o Céu é um espaço necessário, o Inferno também o é. Como já disse anteriormente (em outro espaço desse blog), acredito que Supernatural é puramente simbólica e, portanto, não consigo conceber Castiel acabado e desnecessário, pois assim como temos nossos demônios, nossos Crowleys internos, temos também nossos Castieis. Eles se equilibram.

        1. cris

          exatamente ana! vi seu outro coment. e tbm ja dei meu pitaco. voce encherga a série de um jeito bem parecido com o meu ( a diferença é que voce tem , digamos, mais “conhecimento tecnico” pra abordar o assunto) rsrsrsrs

          1. Ana Célia

            KKK, Valeu pelo elogiu!! Me fascina essa forma de nos interagirmos, sem nunca termos nos conhecido e saber o tanto que temos em comum.

  4. Sua analise foi muito bem condizentes com os fatos que relacionaram com o episodio. Concordo com você inteiramente sobre Castiel . Ele tornou-se vazio (o personagem) Eles tentam arrancar peninha de seus fãs com aquele fato de ser humanos e estar vulnerável a todas doença humanas. Mas me da raiva de vê-lo assim tirando espaços e Sam e Dean.Desculpe este é um sentimento humano Castiel.

    JENSEN É NOTÓRIO QUE DESEMPENHA SEU PERSONAGEM COM AMOR E DEDICAÇÃO.

    Como sou filha de um pai que morreu no alcoolismo . Me doe imensamente ver Dean esvaziar garrafas e mas garrafas de bebidas , não quero vê-lo transformar-se em uma pessoa abusiva . Que por um motivo qualquer quer golpear um pessoa violentamente , mesmo tendo a desculpa de ser um Demônio.

    Claro havia momento que a embriaguez o fez ridiculamente engraçado cantado mal pra caramba. Acredito que para uns ,sim, riram de seu momento, mas pareceu tão triste e baixo pra mim. Aquele era o fim do poço de um heroi que eu tanto amo ( só veio lembrança desagradáveis naquela cenas)

    Jensen me fez vê-lo desta forma. Dean se agride a olhos nus. Eu confesso que chorei. Não pude ri , era humilhante assisto. O desempenho de Jensen é emocionante.

    E por outro lado teve Sam , acho que tudo que ele menos desejava era acabar solitariamente enterrado no bunker . Acho que desde o começo quando pediu para Dean deixa-lo morrer . Seu pensamento fosse que iria um dia acabar ali . Ele e as paredes numa luz sombria. E agora ter que viver a realidade, que seu irmão se tornou um monstro . Sam sempre quis ver o lado bom dos monstros , acreditou por varias vezes que eles teriam uma salvação . Claro se eles assim quisessem , não deu muito certo na maioria deles , mas sempre ouve esperança. E agora vai deparar com irmão neste mesmo quesito . Dean tem salvação? Ele vai encontrar no amor?

    Eu espero que sim , espero que Sam faça das tripas coração para que ele novamente enxergue que é amado . Pois Sam o ama. E ele merece ser salvo.

    Bem, se isto acontecer, vai ser lindo . Muito lindo . Acho que sempre minha imaginação fabrica estes momentos emocionantes entre eles. Eu desejo não ficar só imaginando.

    Parabéns Vicki , eu escrevi mas que imaginei escrever. Suas palavra me fizeram pensar . Beijos

    1. cris

      soni, voce expressou muito bem o pensmento de muitos fãs. mas spn é isso mesmo: nunca ´so alegria ( nem de longe!), e sempre muita angustia e ansiedade, pois são sentimentos humanos, vidas humanas que os J2 representam com maestria. o supernatural da coisa, no fundo, é pra amarrar as pontas. bom, isso eu é que acho…
      bjo!

    2. Ana Célia

      Soni, para mim o fantástico de Supernatural é isso: o de levantar e trazer á tona nossos fantasmas e espectros interiores. Por isso torno a afirmar que ela é uma série puramente psicológica com uma carga gigantesca de simbologia. Ninguém quer ver um Castiel humanizado, doente, angustiado, necessitando de ajuda porque não é esse o aspecto que concebemos de um anjo, pelo menos do anjo que trazemos interiormente desde nossa infância, ao rezarmos e pedirmos que velassem por nossos sonhos e por nossas vidas. E quanto ao Dean, ninguém quer ver seu ser amado indo pro buraco, se tornando um ser degradante e desalmado. Porem acredito que é isso que a série quer passar: esse levante de questões interiores que assombram e acompanham o nosso viver. Dean: nosso lado obscuro, nosso deus Eros que pode se levantar e fazer-nos fazer coisas terríveis; Sam: nossa necessidade de redenção, de valorizarmos as pequenas coisas diárias, pois um dia elas se vão; Castiel: nosso anjo interior que muitas vezes não está tão bem e necessita unicamente de uma atitude mais firme por parte de nós mesmos; Crowley: nosso demônio interior que muitas vezes não é tão demon assim. Enfim, desculpe-me pela análise, porem não consigo evitá-la, já que minha paixão por essa série é exatamente por esse recheio de conteúdo simbólico.

  5. Lule

    Quando comenta como atriz você arrasa mas quando comenta como fã você se supera!
    Concordando com TUDO que você comentou só lamentando pelo Cas mas como tento ver algo bom em tudo, a participação dele serviu pelo menos pra acalmar os batimentos entre as cenas com Sammy e Dean este último me deixando com sensações confusas (como eu já sabia: emocionalmente sofrendo, racionalmente amando).
    Desejo antigo realizado: Sammy ansiando por ter o irmão ao seu lado. Não sei bem o que eu mais quero agora se Sam lutando pelo irmão por mais tempo ou o Dean voltando a ser o Dean.
    Próximo desejo: Os irmãos juntos. Sam valorizando Dean sem precisar estarem separados e o Dean voltando a ter a leveza e senso de humor sem precisar ser um demônio.

  6. morganalu

    Bem só pude ler hoje…então que se dane que vou falar: não perdoo e ainda pro cima tenho comigo que o Cas vai salvar o Dean pegando pra ele a marca de Caim…..se não for ele será o Crowley……

Leave a Comment