[Análise Hunter] “Alpha and Omega”, por Vicki Wnxtr

Esta é a última análise da season finale da 11ª temporada de Supernatural.
Obrigada a todos que nos escreveram e que leram! O carinho de vocês para com as nossas opiniões e a certeza de que respeitamos as de vocês nos tornam a cada dia mais honradas e certas de que podemos publicar seus textos sem ler (bem, eu li todos), porque ali haverá maturidade e discernimento, ou seja, só coisa boa!

Todo mundo já disse tudo. Não sei se há mais o que dizer sobre o conteúdo do último episódio da temporada. Houve erros, houve furos, incoerências, abandono. BUT WE GOTTA KEEP GRINDING! É Supernatural, é o nosso amor televisivo, são aqueles dois caras que a gente conhece bem (esse certamente foi um dos grandes problemas dessa finale: o público aparentemente os conhece melhor do que os roteiristas que “sobraram”; já já comentarei mais sobre isso), com quem a gente se preocupa como irmãos ou mozões, em uma série em que um episódio nota 9 já basta para uma enxurrada de críticas negativas.

Mil “como assim?”s vêm à mente: Dean dizendo que Cas “fez certo” em aceitar Lúcifer; um Deus galã, todo mundo entrando e saindo do bunker, Billie e a Morte, a ligação entre Dean e Amara, o que aconteceu com Lúcifer, para onde Deus e a Escuridão foram, o que acontece com Castiel, Crowley e Rowena agora… A lista é imensa. É a isso que eu vou me ater. Diferentemente da maioria, eu tenho o privilégio de escrever minha análise com uma bagagem maior de conhecimento sobre o que levou a essa finale.

Hoje sabemos que Carver largou o barco à deriva antes do final da temporada. Não há paralelo melhor do que um navio sem comandante. Todo mundo pode querer tomar conta do leme ou todo mundo pode tentar permanecer em seu posto para garantir que ao menos aquilo ainda seja bem feito. Hoje talvez consigamos fixar um alfinete bem no momento em que o cara saltou fora para seguir seus sonhos, deixando para trás a série que o tornou um cara conhecido. Assim como Amara demorou para concluir, ele poderia ter pensado melhor se vale a pena destruir toda uma criação. A temporada ia muito bem até ali e ele quase pôs tudo a perder – bem, para muitos ele conseguiu. Hoje sabemos que ele levou uma galera com ele para seu novo projeto. Para mim, Nancy Won foi a melhor aquisição de Supernatural nesse ano e ele a carregou junto. Alguns roteiristas excelentes já tinham saído também, mas nós seguimos, assim como nosso elenco querido.

Agora temos conhecimento de que Jensen, Jared, Misha, Mark chegaram a conversar com os chefes sobre sua insatisfação com os rumos da temporada, inclusive tentando encerrá-la ao final do 11×20. Pensem bem: um ator trabalhar em 3 episódios (fora outros 11 anos antes disso) e ainda assim pedir para que eles sejam jogados fora e o enredo seja retomado mais tarde… Várias cenas foram cortadas e, ao que parece, nelas constava conteúdo importantíssimo para tornar a coisa toda mais aceitável para nós, experts nas ações e reações dos nossos heróis – e vilões. Tudo contribuiu para o resultado mediano, morno, mesmo para os envolvidos. Deve ser difícil vestir a camisa de algo que já te trouxe tanto o que ganhar quanto do que abdicar, mas que no momento te traz mais incerteza do que prazer e sentimento de dever cumprido. Agora sabemos que Jensen e Jared pretendem meter a mão na porra toda e agora podemos cobrar deles uma resposta pelo que não nos agradar. Até agora eles só podiam assistir, como nós, tudo se desenrolar diante dos olhos.

O que eu quero dizer com tudo isso?
Considero ofensivo dizer que o episódio foi um insulto aos fãs. Lembre-se de que você está dirigindo esse comentário pesado a quem FICOU. Ofensivo foi Carver largar o barco, ofensivo é ver um bando de joões-ninguém ver a luz do sucesso com Supernatural e abandonar um show e um fandom que os tornaram quem são hoje sem olhar para trás, no caso de Carver provavelmente com um belo “quero que se foda”. Digo isso porque ouvidos atentos têm pescado comentários de que o clima já não ia bem havia algum tempo. Jared já falou algumas vezes sobre gostar da ideia de finalmente ter um chefão que “ouve os atores e produção”; me faz pensar que isso não vinha acontecendo ultimamente.

A partir de agora, talvez alguns apontamentos tenham a ver com os últimos episódios e não só com o último, por terem sido aqueles feitos ‘sem cacique’ e por formarem “uma finale de quatro horas”, como disseram os Js.

Tivemos interpretações incríveis. A cena da despedida ente Dean e Sam entra sem dúvida para as lembranças mais tristes e emocionantes da história dos irmãos. O papo entre Deus e Lúcifer redimiu para mim a falta que vinha fazendo algo mais substancioso entre eles. Misha brilhou na cena em que “reaparece” para os irmãos anjos ao tentar convencê-los a juntar-se ao time. Mesmo a calma de Rowena e Chuck e o desespero contido e por isso muito engraçado de Crowley estavam afinados. Houve tomadas excelentes, ângulos criativos, efeitos impressionantes. Quem ficou merece meu respeito. Um “mau” episódio de Supernatural ainda é melhor que um bom episódio de muita série por aí. Respeito.

É claro que faltou direção. Esse foi todo o problema. Jared, Jensen, Misha, Mark, Ruth e mesmo Emily Swallow conheciam bem seus personagens. Duvido que um diretor precise dizer a qualquer deles como seu personagem deve reagir diante dos fatos conhecidos por eles. Ocorre é que, estando tudo “ao Deus-dará”, o roteiro foi gravemente afetado. Como querer que Jared entenda que Sam aceite tão passivamente o cenário que se criou diante dos seus olhos? Ao mesmo tempo, como encarar um Deus tão diferente do Chuck que conhecíamos? [Minha teoria: o ator Rob Benedict teve uma transformação radical de Chuck para cá. O ator escolhido para ser Chuck era um baixinho que só interpretava losers e caras sem expressão. Em que outra série aquele ator faria DEUS? Além disso, a transformação de Rob na vida real o tornou um galã, um rock star, um cara que passou de coadjuvante perdedor a alvo da atenção de fangirls. É óbvio que seu Deus mostraria essa nova face! O Deus dele foi engolido por todos os atores com quem contracenou. Não que ele tenha feito um trabalho ruim, mas os roteiristas de SPN são hábeis em misturar vida real e ficção (quando dirigidos, quando guiados. Lembrem-se, já era a época do “cada um por si”). O cara que canta, toca e encanta nas Cons por aí não pode mais ser o Chuck loser que víamos antes.]

Penso que Mark, Misha e Ruthie são estariam errados em se preocupar com um futuro incerto para seus personagens. Sem hate algum (olha, quem quiser ver hate vai ver hate, embora eu jamais tenha mandado qualquer coisa próxima disso a qualquer ator de SPN. Minha consciência está tranquila. Pense o que quiser), já há algum tempo a série virou cabide de emprego pra muita gente. Personagens coadjuvantes vêm e vão. A série é sobre Sam e Dean. Mesmo John, Mary e Bobby são peças laterais. O centro são os dois irmãos. Acabou. Dito isso, pergunto esperando resposta sincera: em um enredo que aponta para humano seguindo humano, ou seja, os irmãos perseguidos pelos Homens das Letras de hoje, no que um anjo sem Céu, um demônio sem inferno e uma bruxa sem coven podem ser úteis? Sério. Aguardo ideias nos comentários. Supernatural não será sensacional novamente enquanto houver personagens sem razão de estar ali, só porque parte do fandom os acha fofinhos. Se é pra ser fofo, tragam BOBBY de volta. Se é porque os Js gostam, tragam BENNY de volta. Se é pra ter função toda vez em que aparece, tragam de volta a Charlie.

Olhando para a frente, eu quero de volta os irmãos Winchester como centro do enredo. Lembram de quando o Cupido disse que “Sam e Dean tinham que nascer, por isso Mary e John TINHAM que ficar juntos”? Lembram dos receptáculos perfeitos? Lembram dos favoritos de Miguel e Lúcifer? Lembram do Evangelho dos Winchester? Lembram que Castiel só entrou na série porque Dean era tão importante para o universo que um anjo foi lá tirar o “righteous Man” do inferno? Eu quero essa importância de volta. Boa parte da minha decepção com Deus foi o total desprezo pela importância dos dois. Demônios se arriscaram e perderam a vida para garantir que eles fossem preservados e/ou que fossem destruídos. Criaturas de todos os lados sabiam quem eles eram e os respeitavam, menos quem deveria reverenciá-los. Ok, podem dizer que ele queria acabar com a própria criação, então Sam e Dean impediam que ele desse cabo dessa intenção. Nem isso foi mostrado! Uma cena de 5 segundos resolveria isso! Em vez do ABSURDO “obrigado por libertar Lúcifer” (ahn… Quem libertou Lúcifer foi Castiel ou Vossa Onipotência, Onipresença e Onisciência não estava olhando?), custava ele ter agradecido pelo que fizeram até hoje? Que Deus idiota! Eu me pergunto se Edlund, Glass, Kripke teriam colocado palavras tão inúteis na boca dele se tivessem sido os roteiristas… Nessa hora eu me pergunto se o povo conversa. Thompson, salve-nos! Ah, é… Ele também tá se mandando.

Em suma: eu não detestei a finale. Longe disso. Não amei, pois que nem mesmo Swan Song foi unanimidade. Vejam só: muitos falam mal demais da 9a temporada, mas é inegável que aquele final foi sensacional. E olha, aqui vai um segredinho não tão segredável: também não foi unanimidade. Fan Fiction? Não foi unanimidade também. Kripke bem disse, na voz de Chuck, que “Fãs sempre vão reclamar”.

Fãs. Nós. Eu.

Quem ameaça parar de ver, nunca vai parar. Quem quis parar, já parou e não avisou.

Agora que Jensen e Jared parecem estar com sangue nos olhos para acompanhar o processo de perto, eu digo mais alto que nunca: CARRY ON!!!

Que venha a DÔZIMA TEMPORADA!!!

Related posts

16 thoughts on “[Análise Hunter] “Alpha and Omega”, por Vicki Wnxtr

  1. Odair José Galdino

    Olá! Parabéns pela análise! Gostei muito, e meio que parece ser um desabafo. Eu tinha colocado num comentário em uma análise anterior a pergunta : Vocês acham que a CW/Warner não dão o devido valor a série, considerando que ela está a tanto tempo no ar e ainda tem muitos fãs tendo em vista isso, e ainda por cima os atores principais adoram o que fazem. Bom, com o que você disse nesse texto, não precisarei repetir a pergunta. Espero, assim como você, que agora que Jared e Jensen vão se “envolver” mais, que a coisa melhore. E pra mim pensar em deixar de acompanhar a série, olha, ela terá que mudar a sua essência, caso contrário, não importa se há furos no roteiro, o que for, eu continuarei acompanhando a saga dos dois irmãos. Abraço!

  2. Lule

    Vicki, saudades de ler você!
    Tá vindo férias pra mim e vou ler as análises que perdi pra matar a saudades.
    Aproveitar a folga das crianças daqui de casa e humildemente dar mais um pouquinho de opinião.
    Supernatural é receita de sucesso.
    Do meu ponto de vista, não seria problema e não precisaria de muito esforço mantê-la tão saboreável como sempre com esses ingredientes principais: Sam e Dean.
    Soube da saída do Carver mas não acompanhei com detalhes e foi bom saber mais um pouco. Acho que se o pessoal que ficou (e se entrou alguém que eu não soube) for um pouco de fã (com bom senso) de SPN, não deverão ter tantos problemas em retomar curso do navio, se não, devem pelo menos encarar como um negócio onde eles são a empresa que disponibiliza um produto e nós somos os clientes. E o cliente tem razão quando de forma razoável e respeitável exige a qualidade do produto que adquire. O produto é lançado no mercado pra satisfazer ou atender a necessidade do cliente. Vicki desculpa o parágrafo chato e tão comercial (reflexo talvez de muitos dias intenso de trabalho) mas é porque pra mim é muito simples: Ou se faz por amor ou por respeito. Assim com o Dean (gosto das comédias românticas) eu prefiro que seja por amor pois eu assisto por que amo. Entendo que o amor tem seu altos e baixos, mas permanecer nos “baixos” não é o objetivo de ninguém, então vamos esperar o equilíbrio disso com muitos picos de “altos”.
    Acompanhei a maratona (de domingo) o máximo possível e me deliciei com cada episódio. Só pensava como essa temporada foi incrível até o momento em que eles foram o centro do assunto ou os envolvia diretamente.
    Pra terminar, não por falta de assunto mas necessidade de um desfecho, o que eu também quero é a importância deles de volta, eu também quero eles novamente como centro do enredo, belas e simples palavras suas que definem resumida e intensamente o nosso desejo e Jensen e Jared fazem muito bem em tomar as rédeas da situação porque eles amam e o que se faz com amor não tem erro.

  3. Ana Maria

    Eu não queria dar um tom de pesar ao comentário, mas como você bem disse, Vicki,há tanto pra consertar que talvez não haja mais tempo. Os roteiristas não podem mais perder o rumo! Um enredo com inimigos não sobrenaturais, como esse dos Homens de Letras de Londres, aff, pode por tudo a perder. Com Crowley tão apático e Lúcifer MIA, quem poderá ser o cruel e temido vilão??Tomara também que dêem uma função decente ao retorno de Mary.Sabe o que seria lindo de ver? Anjos com asas e arcanjos com espadas e lanças, e não burocratas com pranchetas; um inferno como em Constantine, com corpos distorcidos e labaredas ardentes, e não com escadas e louça pra tomar chá; demônios demoníacos mesmo, assustadores, menos sarcásticos e políticos; os irmãos, de costas um pro outro, encurralados por criaturas ferozes, com suas facas em punho, sem precisar dizer any last words. A gente, é claro, quer que eles se dêem bem, mas uma boa tortura faz bem ao espetáculo, não é!? Que eles continuem dando suor e sangue pra defender o mundo, salvando pessoas e caçando coisas…até o digno fim. E se tiver de ser a última temporada, que seja a da redenção!! Parabéns a todas vocês, que nos deleitam com esse espaço de pura paixão por SPN.

  4. Andréia Pereira

    Olá pra todos,sou Andréia,acompanho SPN a quase 10 anos.Conheci a página de vcs este ano e gostei muito.Vcs sao apaixonados pela série,igual a mim.Depois do final da temp 11,vi muita gente com aquele papo de que “tinha que ter acabado na quinta temporada”e eu digo que nao.Na minha humilde opiniao,o grande problema dessa temp é o enredo era muito megalomaniaco,grandioso demais.Pra piorar a situacao,quem comecou a história se mandou.

  5. Cris

    Sintetizando nossos sentimentos à perfeição Vicki! Realmente, não há mais o que dizer sobre a finale. Sua analise foi suscinta e trouxe, pelo menos pra desinformada aqui, uma noticia ótima: Jensen e Jared dando mais que palpite no que está por vir. Amei saber! Tinha, claro, lido que eles iriam se envolver mais; mas não fazia idéia de que pretendiam de fato, tomar a frente e brigar pelos nossos amores!Isso me tranquilizou bastante.
    Não vou dizer que não adore o Cas ( morro de saudade do anjo da 4ª temporada), que torça muito a favor de Crowley, que ache Rowena incrivel…
    mas realmente, a série só ganha se eles tiveram função.É até judiação desgastar assim personagens tão bons.
    Mas, fã alucinada e apaixonada, to aqui pra fazer coro MESMO: cary on! Que venha a “dôzima”!

    1. Débora Lopes

      Oi Cris, tudo bem? Advinha o que assisti ontem (27/06)?? Pois é… Red Meat. Agora perdi a conta mesmo, mas não perdi o entusiasmo pelo episódio. Ainda fico de coração partido. E no domingo assisti a maratona do 01 ao 16 da décima primeira temporada. Você acompanhou? Agora vamos começar a nos preparar para a “dôzima” como diz a Vicki. As notícias já começam a chegar. Bom prá nós, péssimo para nossas unhas. Mas você liga? Nem eu! beijos Cris.

      1. Cris

        Unha cresce, Débora!rsrsrsrs
        Quanto á maratona, não acompanhei não. Fui ao cinema com as filhas. Vou dizer a verdade, eu já maratono supernatural todo santo dia, e não acho demais não. Mas é preciso variar, né?
        Ontem ataquei de Lazarus rising, pra matar saudade do Castiel de verdade.E que venha a dôzima! Enquanto isso, vou pensando em qual episodio mergulho hoje…
        Beijão!

  6. Andréia Pereira

    Doeu ver mais uma vez o showrunner da minha série favorita largar a história de qualquer jeito(aconteceu praticamente a mesma coisa na quinta temp e a série caiu nas maos daquela roteirista sem nocao)quem ficou fez o que deu,porque terminar o trabalho comecado por o outro nao é fácil.

  7. Andréia Pereira

    Olha Vicki(vc contou que era fa da Super Vicki na infancia,eu tbm)adorei a sua análise de anos atrás quando vc defendeu que a nossa amada série nao podia terminar na quinta temp,que aquele nao era o final que Dean e Sam mereciam.Se o final fosse aquele mesmo,teria sido um desgosto que só pra mim.

  8. Andréia Pereira

    Adoro o Misha,mas tbm concordo que o personagem tá totalmente sem funçao faz tempo e o que fizeram com ele nessa temp foi lamentável.

  9. Andréia Pereira

    Tô na torcida pra que os novos comandantes da nossa série a tratem com o amor e respeito que ela merece e nós tbm,porque as vezes eu acho que tem roteirista que substimam a nossa integência e a do Jensen e do Jared,deve ser horrível un ator criar uma personagem e ver ela detroçada por un roteiro mal feito.

  10. Débora Lopes

    Oi Vicki! Faço coro junto às meninas: saudades de vocês, nossas analistas queridas. Quero deixar meu agradecimento, por saber que você leu todos os textos enviados (entre eles o meu), o que me deixa honrada. Muito obrigada!
    Acho que agora é ponto final para a décima primeira temporada. Temporada que nos levou do céu ao inferno, numa montanha russa de emoções. E lidar com emoções nem sempre é fácil. Mas… gosto muito de citar pessoas queridas e inteligentes – como disse a Cris: “somos fãs alucinadas e apaixonadas”, no bom sentido, e agora queremos que chegue logo essa nova temporada. Não sei o que teremos pela frente, mas confio em Jared e Jensen, que já mostraram que mesmo quando os roteiristas, pisaram na bola com seus personagens, eles conseguiram dar a volta por cima. E é por eles, é por Sam e Dean que estamos aqui. Não somos “Hunters” por acaso ou modismo, somos Hunters, porque esse é também o nosso negócio de família. Família que escolhemos para amar, mesmo que em determinados momentos nos deixem tristes e perplexos. Citando você: “Olhando para a frente”, todos nós queremos Sam e Dean de volta. É isso que importa. Que venha a Mary, o Castiel, a chaToni, enfim, estaremos aqui, na alegria e na tristeza, sempre!!
    Antes de terminar, em julho temos o aniversário do Jared. Por favor, não esqueçam do nosso menino grande com cabelo de menina (palavras do Jensen) e coração do tamanho do mundo. Torço muito por ele na sua luta AKF. E tenho certeza que todos aqui também!!
    Não desapareçam por favor. Já estão noticiando que as gravações da “dôzima” começam dia 12/07. Nos mantenham informadas por favor! É chover no molhado, mas… adoro esse espaço. Muito obrigada! Abraços.

  11. Carlos

    Gostei da evolução da trama chegando ao limite da exploração pop do mito judaico cristão tão enraizado no ocidente.
    Acho que personificar a escuridão e trazê-la como a irmã de Deus – tão ou mais poderosa que Ele – foi o elemento inesperado e ao mesmo tempo não totalmente destituído de sentido que a série precisava depois de ir tão longe com arcanjos e leviatãs.

    Ora, temos um monte de gente dizendo que Deus deveria ter estalado os dedos e resolvido tudo porque é o todo poderoso. É todo poderoso diante da criação, não diante da escuridão primordial, que estava lá em genesis cobrindo a face do abismo enquanto ‘Deus cobria a face das águas’.

    O que me decepcionou foi a mudança tão piegas e humana da Amara. Uma entidade que não poderia ver sentido ou beleza na criação, ficar toda mexidinha ao conversar com uma velhinha alimentando pombos? Depois de eras e eras aprisionada?
    Ora, o próprio Deus onisciente já escrevia seu testamento (de novo) diante da situação…
    Chuck e Amara de mãos dadas do nada depois de uma mera “crise de consciência” dela não desceu.

    Pra mim, os roteiristas deveriam ir adiante com a ideia criando um contexto para a 12ª temporada de um Deus “morto” (impossível?) ou aprisionado, sacrificando-se pela sua criação. Daí a trama se desenrolaria muito mais tensa, cheia de incertezas e possibilidades. Ir tão longe no mito pedia consequências desse porte.

    Ou então as próprias criaturas em livre-arbítrio se ofereceriam num sacrifício para salvar Deus, e isso acabaria por salvar a todos, à la constantine, revalidando Deus como amor ao próximo, e impedindo a ação da escuridão.

    Por fim, acho que após ser merecidamente torturado, aquele último safanão da irmã de Deus deveria ter ao menos rebaixado Lúcifer a humano (pra tocar piano num bar?), tal como aconteceu com Metatron. Seria engraçado…

    Saudações

  12. Maria Clarice Hubert

    Parabens ruiva, parabens…

  13. Alessandra Z.

    Que análise! Que desabafo! Foi o meu desabafo tbm. Quero ver de novo Sam e Dean sendo os fodões, todo mundo temendo eles, Chuck respeitando, enfim, ELES NÃO SÃO APENAS MAIS DOIS CAÇADORES! Uma temporada que estava muito boa de repente te dá um susto e uma decepção. Gnt, não odiei, mas tbm não amei. Na season finale nada de surpreendente, nada demais, até achei que não estava assistindo SPN, de tão sem graça que foi. Tomara que os Js sacudam essa equipe. Prometeram tanto que essa 11a temp seria uma volta Às origens e… deu nisso.

  14. Lani

    Alessandra Z., de início realmente foi.

Leave a Comment