[Análise Hunter] 12×15 – Somewhere Between Heaven and Hell

Antes de qualquer coisa, gostaria de pedir sinceras desculpas pelo atraso na postagem desta AH. Se eu for contar tudo o que aconteceu esses dias todos, o texto vai ser só sobre isso hahahaha mas, finalmente, agora foi! E podem me bater nos comentários, eu deixo! 😉

Bom, falemos então de Somewhere Between Heaven and Hell. Foi um bom episódio, com algumas surpresas, ótimos pontos cômicos e o último personagem que eu ia sequer imaginar que eles mencionariam de novo!

O plot principal, sobre cães do inferno, me agradou bastante, primeiro porque gosto de quando a série retoma monstros antigos e, depois , porque gosto do formato “monstro da semana”. É uma forma de a série se manter fiel a si mesma sem foco pesado no grande enredo da temporada. Até Dean, em certo momento, comenta com Crowley sobre “salvar a garota da semana” hehehehe!

O desenrolar da história da “garota da vez” revelou que o monstro da semana, na verdade, foi “plantado”. A história dos demônios que soltaram a cadelona do mal para distrair Crowley e descobrir o que ele estava aprontando foi até okay, mas o que me chamou a atenção mesmo, no momento, foi a representação de tais demônios. Sou só eu ou mais alguém sente que, de uns tempos pra cá, os demônios que nós aprendemos a temer estão virando uns manezões? Por mais que haja uma hierarquia no inferno, e por mais que eles temam e sirvam ao Rei do Inferno, eu esperava, no mínimo, um pouco de personalidade neles. Ô, seus escritores! Eu quero ter medo daqueles olhos pretos de novo! Agora, não dá pra negar… foi muita ousadia daquele demônio fazer altas exigências para soltar Lúcifer. Muita audácia, melhor dizendo.

Eu, no lugar do Lulu, teria feito o mesmo, que é pra largar de ser besta.

Contrariando muitas visões por aí, eu devo dizer que até achei interessante a forma como Crowley conseguiu usar os feitiços da jaula pra subjugar seu nêmesis. A motivação dele, desde o início da temporada, é se vingar por ter sido feito de gato e sapato pelo diabão e, bem… parece que ele teve muito tempo pra planejar e, devo dizer, ele está indo bem. Lúcifer, porém, é uma criatura extremamente poderosa. Apesar da jaula e seus feitiços, de fato, conseguirem contê-lo, não é qualquer um que o aprisiona, não, por mais ardiloso que Crowley seja. Acho que ele ainda vai dar uma puta volta por cima. Aguardemos.

(Depois de escrever o texto inteiro, voltei aqui porque uma coisa me ocorreu: E SE, pra se livrar de estar preso no próprio receptáculo, Lúcifer tivesse que recorrer ao “sim” do Sam?? Huuuuuuummmm……………… pensem aí!)

Enquanto isso, no outro núcleo da novela, Castiel continua atrás da mãe do fiote de cruz-credo. Após investigar uma pista (possivelmente um parente daquele Ronald – “MANDORID!”), sua busca acaba levando ao que, pra mim, foi a grande surpresa da noite: ninguém menos que Josué o quer de volta no céu para ajudar a encontrar a moça. Pelo menos, é o que diz o irmão que foi dar o recado (e que anjo bunito, meo deos!). De verdade, fiquei besta com essa reviravolta dos acontecimentos! Vocês lembram quem é Josué, certo? O Jardineiro? (aliás, erro de roteiro, porque todo mundo sabe que o jardineiro, na verdade, é Jesus). Josué foi o anjo que contou a Sam e Dean, quando estiveram no céu, basicamente, que Deus não estava nem aí pro apocalipse, numa cena linda, triste e irritante ao mesmo tempo! E agora, depois de dizer que os meninos deviam largar tudo pra lá e sair de cena, ele é mencionado de novo? JÁ QUERO! Que dia ele vai aparecer??

Mas, voltando ao que interessa, Sam e Dean estavam estupendos nesse episódio. Sam me representando, como sempre, com as reações às idiotices do Dean; Dean sendo ele mesmo e… bom, é isso. Dean foi ele mesmo. De quem mais esperar estar todo sujo de pedaços de monstros, sujar a casa toda, só entender de computador o suficiente pra saber acessar site de pornografia? Quem mais nesse mundo pediria que alguém “cuidasse dela”, referindo-se ao carro? E quem mais assistiria tanto Operação Big Hero pra chegar ao ponto de imitar um dos personagens? Haja paciência, Sam, meu parça!

Ao se dividir para conquistar fazer o serviço (= proteger a garota e pegar o monstro), Dean acabou tendo que trabalhar junto com Crowley (dois chato, deu certinho ahahhahaha) (como eu amo as chaturas deles S2). Pode ter parecido um “só mais uma vez que eles trabalham juntos”, mas dessa vez os roteiristas os colocaram no mesmo caminho com um propósito. Observando bem a cena em que os dois caminham pela floresta e “conversam”, deu pra ver que a ideia era mostrar o quanto, por mais que um odeie fazer parceria com o outro, eles se conhecem, se entendem e já nem estão mais incomodados por trabalhar com um caçador/um demônio. Ou, pelo menos, não querem admitir isso. É como bem disse Dean: “eu posso ter ficado previsível, mas você amoleceu”. Que eles fazem parceria com gente “obscura” o tempo todo não é de hoje, mas chegou a um ponto em que ele reconhece que isso já não é mais aquele absurdo que antes achava. Isso foi importante para que Dean chegasse à conclusão que disse a Sam no final do episódio, sobre trabalhar com os britânicos. Tá no inferno, abraça o capeta, né? Fazer o quê…?

Já para Sam, as coisas nunca foram 8 ou 80. Claro que se aliar a Ruby não foi sua ideia mais brilhante, mas não podemos negar que ele tem uma visão um pouco mais ampla do que Dean nesse quesito. Não estou dizendo que Dean tem mente fechada hehehe mas, geralmente, quem leva em conta as variáveis, e pensa mais nos fins do que nos meios, é Sam. Ele não se importa em arriscar sua vida ou suas convicções se aquilo vai levá-lo ao objetivo principal. “Tomando os devidos cuidados e reservas, por que não?”, diria ele. Foi por isso que, mesmo tendo sido torturado por eles, Sam concordou em trabalhar com os HdLBs. Não é questão de confiança neles; é pelo objetivo de livrar o mundo do mal. E, querendo ou não, os brits têm os meios e a tecnologia para tanto. E Sam tem plena consciência dos extremos a que eles podem chegar, então, é como eu disse: com a devida cautela, por que não explorar o que eles têm a oferecer?

Divaguei. Voltando à parte em que eles estavam protegendo a garota e matando o monstro, enquanto Crowley e Dean procuravam a Cuja, Sam levava Gwen para um lugar seguro (mas não deu muito certo, não é mesmo?). Tadinha, fiquei com dó dela, mas aquele papo dos dois no carro tava me dando sono. A menina contando das mazelas da vida dela e eu “fia, ninguém liga…” hahahaha foi então que chegou a cadela e interrompeu o papo (acho que nem ela tava aguentando haha). Me deu muita agonia o Sam não dar ré naquele carro. Eu fiquei gritando pra ele daqui “DÁ RÉ, PORRA!”, mas ele deixou o monstro destruir o carro. Quando vi o teto afundando, a primeira coisa de que lembrei foi essa cena:

E ele ficou putão, mesmo.

***

No fim das contas, eles salvaram a garota e mataram o monstro, com a ajuda de um aliado um tanto obscuro, mas que “parece legal”; Lúcifer bateu, mas apanhou mais; e Castiel aceitou a proposta de ir ao céu encontrar Josué. Resta saber agora se as alianças vão continuar suspeitas, se Lúcifer vai dar a volta por cima e se Castiel vai decidir por ficar lá em cima com sua família. Que venha o dezesseis!!

 

PS:

https://68.media.tumblr.com/531c11868ef6e3cd125888499b4c924f/tumblr_omv9f3nEwS1unskxro1_500.gif

https://media.giphy.com/media/U7nuW9vuUXvqg/200.gif

Salvar

Related posts

13 thoughts on “[Análise Hunter] 12×15 – Somewhere Between Heaven and Hell

  1. Débora Lopes

    Oi Lu! Vou falar por mim… aguardo pelos novos episódios com muita ansiedade. E posso dizer, que não é muito diferente em relação a AH, então, nada de ficar brava, é só alegria mesmo. E prá variar, mais uma análise excelente. Parabéns.
    Quanto ao episódio, assumo com muita convicção que gostei!! E digo o mesmo em relação a toda essa temporada. Tenho meu grau de exigência, mas… não deixo a exigência falar mais alto que a diversão. E no meu “simples entendimento” essa temporada está muito boa. Entre alguns pontos que você analisou: por mais que Lúcifer esteja sob o domínio do Crowley, eu tenho um medo recorrente, que ele a qualquer momento vai se voltar para o Sam. Eu fico em relação a isso, com um olho no peixe e outro no gato. Não confio…. então… huuuuummmmmm, pensem aí!! Cass… não sei não!! Enquanto Crowley vem a todo vapor, acho que o Cass, não tá nem pegando no tranco. Vamos aguardar. Quanto aos demônios: arrogantes e burros, ou seja, vão continuar virando pó. Mas acho que os maldosos estão por aí!! Você disse que a conversa entre o Sam e a Gwen deu sono. Bom, não sei se enxerguei demais, mas prá mim, essa conversa é que fez com que o Sam contasse toda a verdade pro Dean em relação ao trabalho com os britânicos. Por quê? Ela disse, que se tivesse contado ao namorado que não queria mais nada com ele, ele poderia estar vivo. A mentira, ou, o adiamento em contar a verdade, provocou a morte dele. Eu acho que isso abriu os olhos do Sam (olhos lindos, diga-se de passagem, emoldurados pelos óculos para enxergar o cão do inferno… opssss… mas que estava bonito estava). Retomando… acho que a conversa serviu pra isso. Eu achei ótimo que já tenham resolvido essa questão. Brigas entre os dois, são muito chatas. O que não é chato é vê-los em situações como no início do episódio e depois na cena com a Baby. Eu gosto muito dessa dinâmica entre eles. Eles são homens, caçadores, mega espertos ( eu queria escrever “fodidões”, mas acho que fica feio) – mas nessas horas o que vemos é o irmão mais velho torrando a paciência do mais novo e vice-versa!! Amo!! Bem, agora é esperar como esse final de temporada vai ficar. Acredito que a história dos meninos com a Mary, ainda nos reserva momentos emocionantes. E sim, final de temporada. Já tá acabando…. passou muito rápido. Até agora, acho que todos as pontas estão sendo amarradas e tenho esperança que teremos outros bons episódios até o final. Finalizando: Lucille! Só Supernatural prá mostrar que ninguém precisa brigar com ninguém, por causa de seriado. Adorei!! E vamos comentar, vamos conversar!! Abraços Lu!
    PS:- se fosse possível dar presentes aos meninos: #cuecas e shampoos caros. kkkkkkkkkk

  2. Andréia Pereira

    Amei o episódio e a sua análise Lu,eu tbm amo o formato Monstro da Semana,por mim esse formato nunca teria mudado.
    A temporada tá muito boa,tô amando.
    Tá certo que tem uma aqui,outra ali meio sei lá,mas tudo ótimo.
    Adorei o que o Crowley fez pra aprisionar o Lucifer e ri muito daqueles dois demônios idiotas que pensaram que podiam confiar logo em quem.
    Um deles falando em fazer o inferno grande me lembrou o slogan da campanha daquele demônio que agora reside na Casa Branca.
    Não me canso de ri quando me lembro do Dean e do Sam chegando em casa e a Lucille ali fazendo uma linda ligação com o Jeffrey, eu não assisto TWD,mas sei que ele está lá.
    Olha Lu eu dou muitas risadas com as suas análises,continue assim.
    Resumindo,amei ver Dean e Sam sendo os personagens que eu tanto amo a quase 11 anos.
    Quanto ao Castiel,só o tempo vai nos dizer o que vai dar volta dele pra o céu.
    Eu tbm estou muito ansiosa Débora pelos novos episódios e pelo final da temporada.
    Acho que porque eu estou amando muito essa temporada,tá passando muito rápido.
    Beijos e abraços pra todos.

    1. Débora Lopes

      Oi Andréia!! Passou muito rápido mesmo! Já assistimos a quinze episódios e ainda tenho muito claro na mente o primeiro! Apesar que assistir mais que uma vez, bem​ mais que uma, aviva em muito a memória, mas…. vamos lá! Nossa alegria é essa!! E como você, estou feliz com tudo que vi até agora!! Que venham os próximos. Abraços!!

  3. cris

    Oi meninas!
    Mais uma aqui pra engrossar o caldo de “adorei o episódio”. E nem tem como não gostar!
    Simplismente adoro o Dean moleque torrando e testando a paciencia do Sam. Qualquer desavisado que caia justamente num episodio deses, vai achar que o irmão mais velho é um perfeito idiota.Rsrsrsrsrsrs
    As cnversas entre Sam e Gwen, Dean e Crowley, disseram muito sobre a evolução desse quase 12 anos. Quase dá pra dizer que nasceu uma especie de amizade entre o King e o caçador mais lindo desse mundo. Eles de fato se conhecem bem. E eu não sei, mas apesar de ser o diabo, traiçoeiro, amoral e cruel, acho que Crowley tem alguma consideração pelos irmãos, viu.
    Concordo com o seu ponto de vista Debora. A conversa no impala provavelmente fez Sam se apressar em abrir logo o jogo com Dean. Vi comentarios que acharam a aceitação de Dean muito rapida e (morna?). Mas eu acho que foi resultado de ambas as conversas, que foram, a meu ver, mais que o monstro da semana, o foco central do episodio.
    Quanto aos diabretes metidos a espertos, achei foi pouco! E tambem aproveito pra reclamar que tambem sinto falta de temer os olhos negros. Esses capetas andam muito xoxos…
    Já Castiel, eu cá acho que ele vai fazer cáca de novo. Mesmo que seja mesmo Josué quem o chamou de volta ao céu, os anjos às vezes são mais ardilosos que os diabos…
    Tomara que vejamos Josué novamente . Mesmo que ele só apareça pra salvar a pele do nosso anjo que de tão inocente chega a dar dó!
    PS; A ideia dos presentes é ótima, Débora! Mas só vale se for entregue em mãos…
    Beijos garotas!

  4. cris

    Só pra reiterar que continuo achando que o forte do episódio foi a comédia. Mas de modo algum foi uma comedia sem propósito, jogada ali só pra encher linguiça.
    E outra coisinha que eu ja ía esquecendo: Crowley mandou muito bem pra cima do Lucifer! Não quero ne ver como vai ser essa revanche,,,

    1. Débora Lopes

      Oi Cris! Concordo com você. Teve momentos cômicos sim, mas nada sem um propósito! E não acho que o Dean tenha aceitado nada de forma morna. Quem achou isso, só pode ter esquecido que estamos falando de irmãos Winchester. Eles já estão numa fase, que tudo vai muito além do morno. E também nem quero, ou melhor, quero sim, ver o que vai acontecer entre Crowley e Lúcifer. Enfim, estamos caminhando para um final de temporada, no mínimo, eletrizante. E a propósito: quando podemos entregar nossos presentes?? Kkkkkkk, Abraços Cris!!

  5. cris

    Que tal HOJE!!!!!
    rsrsrs

  6. Lani

    A única coisa que não me agradou mto, foi o fato deles (Sam) terem matado o cãozão do inferno mto fácil, poo.. ela era a cadela do Tio Lu, acho que tinha q ser mais complicado pra matá-la. Até aquele cão da 8ª temporada, quando Sammy iniciou o teste pra fechar os portões do inferno, foi mais difícil de matar do que essa do Tio Lu. Fora esse detalhe, o epi foi bom demais. =)
    Bjs

    1. Débora Lopes

      Oi Lani! Sabe… acho que é a prática. Os meninos estão cada vez melhor e mais rápidos!! E nos últimos episódios o Sam já acabou com um príncipe do inferno, o vampiro alfa e agora o “cãozão” do inferno. Talvez seja isso: prática. Mas eu entendo… detalhes… e nós amamos os detalhes em Supernatural. E como você, também achei o episódio muito bom. Beijos!
      P.S. cadê o pessoal dos comentários?? A página está tão legal! A AH tão boa! Se é agenda cheia, vamos reservar um tempinho!! É tão bom trocar idéias aqui!! Apareçam!! Abraços !

      1. Lani

        De verdade, Débora! Pode ser mesmo a prática… acho que eu só queria mais ação, mais cenas, (mais cabelos esvoaçantes do Sammy) com os nossos moços. hahaha…
        Bjos

        1. Débora Lopes

          Lani, se o assunto envolve “cabelos esvoaçantes do Sammy”, acho que vou deixar a prática de lado e pedir mais ação também!! kkkkkkkkk. Beijos!!

          1. cris

            Rsrsrsrsrsrsrs
            Meninas danadinhas voces!
            Posso engrossar esse caldo? Cabelos esvoaçantes do Sammy ? To dentro!!

  7. Débora Lopes

    Cris, nem precisa pedir!! Kkkkk

Leave a Comment